Rumo ao Draft #1: Após Calitro se destacar, Seattle investirá em outro jogador desse estilo no draft?

Um jogador que se destacou bastante apesar de não fazer muito barulho quando chegou no time durante a preseason foi Austin Calitro. Não uma temporada de All-Pro ou Pro Bowl, mas quem teve a ausência do pilar Wright durante quase toda a temporada, ele foi bastante útil.

VEJA TAMBÉM OS OUTROS POSTS DA SÉRIE:

Continue lendo “Rumo ao Draft #1: Após Calitro se destacar, Seattle investirá em outro jogador desse estilo no draft?”

Qual potencial Will Dissly pode atingir?

Seguindo nossas análises do elenco, hoje vamos falar de Will Dissly TE do nosso time, que infelizmente se lesionou no início do jogo 4 da temporada, depois de mostrar flashes de um ótimo teto. Até onde ele pode chegar?

VEJA TAMBÉM OS OUTROS POSTS DA SÉRIE:

Continue lendo “Qual potencial Will Dissly pode atingir?”

Quem assumirá a vaga de nickel deixada por Coleman?

Com a ida de Coleman para os Lions, saída essa que tornou o CB o slot mais bem pago da liga e que pode render a Seattle uma escolha de quarta rodada compensatória no ano que vem, deixou um vazio na secundária da equipe na posição de nickel. Explicando para quem não é habituado com o termo, nickel/slot é o cornerback que alinha entre a linha defensiva e o cornerback da lateral. Jogar nessa função requer características diferentes de um CB que joga na lateral, mais a frente no post traremos esses requisitos.

VEJA MAIS: OFFSEASON [3] – Renovações e contratações da Free Agency

VEJA MAIS: Qual impacto de Mike Iupati na linha ofensiva?

Continue lendo “Quem assumirá a vaga de nickel deixada por Coleman?”

Qual impacto de Mike Iupati na linha ofensiva?

Nessa Free Agency extremamente movimentada perdemos alguns jogadores e entre eles o OG Sweezy. Ele recebeu um contrato de Arizona, de 9M (podendo chegar a 11M) em dois anos de contrato. Apesar da temporada muito boa que teve em Seattle, ajudando a ressuscitar o jogo corrido, Sweezy teve a carreira marcada por lesões e basicamente só jogou bem (e ficou saudável) pelos Seahawks, então 11M seria muito caro, Fluker fechou por 6M.

VEJA TAMBÉM: OFFSEASON [3] – Renovações e contratações da Free Agency

VEJA TAMBÉM: Habemus linha ofensiva, o que mudou em Seattle?

Para repor essa ausência, os Seahawks preferiram investir em Mike Iupati, ex- Cards e 49ers. Deu a ele um contrato com 1.25M de bônus de assinatura, com mais 1M garantido, 500k de bônus por jogos ativos no elenco e 500k de incentivo. De dinheiro garantido 2.25M e o valor máximo podendo chegar a 3.25M dependendo da performance do OG. Valor muito bom, principalmente para quem já chegou a gastar 8M num ano em Luke Joeckel, um dos maiores busts (jogador que na época do draft promente muito, mas no fim das contas é um fracasso) da história.

VEJA TAMBÉM: Teremos uma linha ofensiva de respeito novamente? Parte 1 – (2012)

VEJA TAMBÉM: Analisando o elenco – Linha ofensiva – Interior da OL

Será que foi uma boa para Seattle essa “troca”?

Vamos analisar a seguir:

Continue lendo “Qual impacto de Mike Iupati na linha ofensiva?”

O que esperar de Rashaad Penny, depois de uma temporada bem longe do nível de primeiro round?

No draft  de 2018, tivemos apenas TRÊS running backs escolhidos no primeiro round. O primeiro foi o calouro ofensivo do ano: Saquon Barkley,o outro foi Sony Michel, que foi um dos melhores jogadores dos campeões do SB e Rashaad Penny. Salientando que Penny foi escolhido na 27 e Michel na 31.

Então, não precisa pensar muito para ver que Penny foi bem abaixo dos outros dois. Começando pelo fato de ficar como TERCEIRO RB, atrás de Carson e Davis.

VEJA TAMBÉM OS OUTROS POSTS DA SÉRIE:

Continue lendo “O que esperar de Rashaad Penny, depois de uma temporada bem longe do nível de primeiro round?”

O surgimento do improvável Jacob Martin no pass rush

Seguindo as análises dos desempenhos dos nossos jogadores, hoje vamos com a escolha de sexta rodada, Jacob Martin. O jogador veio de Temple e era mais desconhecido que a escolha de sétima rodada Alex McGough, até mais difícil de se achar vídeo. Apesar de não ter feito uma grande preseason ele ganhou a chance entre os 53 finais.

O jogador de 6’2” e 240lbs, nos 4 anos que jogou em Temple, não teve temporadas com números muito vistosos. Somou 80 tackles, 18 tackles para perda de jardas, 11.5 sacks, desviou 2 passes, forçou 1 fumble, recuperou 3 e retornou 1 para TD. O time o escolheu para tentar recriar o papel de Bruce Irvin,  de jogar como SAM linebacker e nickel subrusher em alguns pacotes.

VEJA TAMBÉM OS OUTROS POSTS DA SÉRIE:

Continue lendo “O surgimento do improvável Jacob Martin no pass rush”

Há cura para síndrome do pato?

Você já ouviu falar na síndrome do pato?

Os bichos da floresta estavam em polvorosa, pois ultimamente vinham aparecendo, por aquelas bandas, terríveis caçadores, que matavam quem encontrassem pelo caminho. Certo dia, reuniram-se à margem do lago um pássaro, um peixe, um coelho e um pato, que conversavam sobre o que cada um poderia fazer, caso aparecesse algum caçador.

Dizia o pássaro: “Ah, se aparecer algum caçador, eu saio voando como um foguete. Com toda a minha força e habilidade, não tem como ele me acertar, pois ninguém consegue voar mais rápido do que eu.”

O peixe olhou para o pássaro e comentou: “Quanto a mim, se esse tal caçador aparecer, eu mergulho no lago e nado como nunca. Com a minha destreza e velocidade, ninguém nada melhor do que eu.”

O coelho, por sua vez, ponderou: “No meu caso, não tenho nem o que pensar. Corro o mais veloz que puder. Com toda a minha elasticidade e leveza, vocês acham que alguém me alcançaria?”

O pato, demonstrando um certo ar de superioridade, deu um passo à frente e declarou: “Coitados de vocês, companheiros! Tão limitados! Se aparecer algum caçador, eu não terei problema algum, pois eu sei fazer tudo isso que vocês dizem que fazem: eu nado, corro e vôo. No momento certo, utilizo qualquer uma dessas habilidades.”

De repente, surge um caçador e, mais que depressa, o pássaro voou, o coelho saiu em disparada e o peixe entrou no lado e nadou bem fundo. O pato, porém, foi apanhado. Literalmente, “pagou o pato”. Mesmo tendo todas as habilidades dos demais, não tinha desenvolvido nenhuma com excelência.

O pato anda, voa e nada, só que não faz nada de forma excepcional, ou seja, faz tudo sem fazer nada bem. Pocic é o pato do elenco dos Seahawks.

Escolher um center na segunda rodada do draft, logo depois de renovar o contrato do seu center principal, Justin Britt, é um pouco estranho. Sendo assim, Pocic ficou numa névoa, sem posição definida chegando a atuar em todas as posições da linha, com a exceção de LT.

Pocic veio da universidade de LSU, ou seja, tem pedigree principalmente por ele ter feito parte da linha que abriu espaços para Fournette se tornar uma das primeiras escolhas do draft. Teve 27 jogos como center, 9 como right guard e 1 como right tackle . Ele chegou ao draft como um dos centers mais bem cotados, juntamente com Pat Elflein que foi escolhido pelos Vikings.

Após o time acumular picks e sobre a batuta de Cable, Pocic foi selecionado tendo como um dos maiores pontos positivos a versatilidade. Então o primeiro passo para Pocic é definir seu estilo de jogo, inclusive sua posição. Não adianta ganhar peso, se especializar em várias posições e técnicas, se um ano ele fará isso para center, outro para guard e outro para tackle. Até porque numa mudança de lado, a memória muscular acusa, quanto mais uma mudança de posição, em que os papéis são bem diferentes. Talvez por isso, ele pareça estar meio perdido em campo.

VEJA TAMBÉM OS OUTROS POSTS DA SÉRIE:

Continue lendo “Há cura para síndrome do pato?”